Uma ressalva

Apesar de considerar valiosas e úteis a maioria das publicações anteriores a agosto de 2015, as quais remontam nove anos de dedicação a este trabalho, a partir da mencionada data creio ter alcançado maior compaixão do Pai das luzes, o qual creio ter transformado minha forma de ver e pensar a vida e as pessoas, o que com certeza resulta numa considerável mudança na linha editorial deste blogue. Ressalto este divisor de águas para alcançar melhor compreensão dos leitores, especialmente dos que professam esta mesma fé, para que não tomem por mau testemunho ou exemplo as convicções que integram este processo de crescimento através dos anos, nos quais venho compartilhando aqui e em outros blogues, para principalmente acrescentar algo aos leitores, salvo quando por vezes desabafei nestes, o que faz parte do processo.

Do vosso ainda falho,
Igor

Aprendi 5

Com os conceitos e empenho adequados, com o passar de alguns anos, você percebe que estamos todos, mas todos mesmo, exatamente no mesmo barco: podemos mudar de posições, de funções, de amigos e sonhos, mas o barco continua o mesmo. Ninguém gosta de se sentir inferior, e só quem se sente inferior precisa se sentir superior a alguém, mas ainda é o mesmo barco. Porém se tudo que você quer é ver todo mundo feliz, ainda que nem sempre faça por onde para isto, só resta começar por si e parar de dar ouvidos às comparações, competições e enganações das marés deste mundo: olhe para as estrelas, faça a sua parte sempre, e todos aportaremos em segurança nos braços de quem sempre nos amou.

Não é brincadeira

Olhe para o que há de errado: muitas pessoas brincam com o diabo, e o diabo brinca com estas pessoas.

O diabo só brinca com quem brinca com ele.

À luz da Compaixão

Somente a pureza, a sanidade, originadas da compaixão divina, depois do temor em obediência, são férteis, proveitosas e sadias, ao contrário daquelas originadas do medo e das regras humanas, que são vazias, insinceras e contamináveis.