O progresso do desamor

A nossa vida não quer parar,
não quer passar em branco:
mesmo que custe a paz
da humanidade,
mesmo que custe a liberdade.

Olha a imensa clareira
entre nós, que andamos
tanto, que passamos
tanto tempo a sós:
aqui tem postes, tem ruas,
tem muros, mas para quem?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s