Meia não

Havia um tempo em que meia bastava:
quando eu andava em meia companhia,
aceitava migalhas da nossa solidão.

Mas meia, quem diria,
não basta, não chega
ao macio cio coração.

Nem meia vida,
nem meia morte:
é tudo ou nada,
um adeus,
e o boa sorte
em meio à multidão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s