Sobre nós e mais nada 174

Por fim, o que importa é estar com quem se importa, é se importar.

Anúncios

Uma ressalva

Apesar de considerar valiosas e úteis a maioria das publicações anteriores a agosto de 2015, as quais remontam nove anos de dedicação a este trabalho, a partir da mencionada data creio ter alcançado maior compaixão do Pai das luzes, o qual creio ter transformado minha forma de ver e pensar a vida e as pessoas, o que com certeza resulta numa considerável mudança na linha editorial deste blogue. Ressalto este divisor de águas para alcançar melhor compreensão dos leitores, especialmente dos que professam esta mesma fé, para que não tomem por mau testemunho ou exemplo as convicções que integram este processo de crescimento através dos anos, nos quais venho compartilhando aqui e em outros blogues, para principalmente acrescentar algo aos leitores, salvo quando por vezes desabafei nestes, o que faz parte do processo.

Do vosso ainda falho,
Igor

Repensando 1

“Para evitar críticas, não faça nada, não diga nada, não seja nada” (Elbert Hubbard)

Meu senhor, para os do meu tempo ser virou um título, uma função, uma posição, e não apenas ser no sentido que só os adjetivos (os bons e maus) dimensionam por completo. Não me importo de as pessoas só pensarem em si, meu senhor, mas de que eu pense nelas, e nem isto valorizem ou mesmo, percebam. Enfim, é uma época deprimente, por isto se explica os tantos que desistem da vida, talvez porque tenham descoberto a farsa que assumem para si, não sendo nada, e portanto, não tendo nada para dizer. Desculpe desabafar com o senhor, mas sei que suas críticas relativas ao meu comportamento serão na medida de quem já enriqueceu muito a própria vida e a de outrem com sábios pensamentos.

Mundo imundo

O mundo não é para os fracos,
não é dos sinceros,
não é dos humildes.

O mundo está morto:
seus amantes,
necrófilos
zumbificados
no arrogante corpo
das engrenagens
de hierarquias
e austeridades.

A solidão é resto
da divisão de classes,
o desamor é certo
no rubor das faces
que dissimulam,
semeando a loucura
de seu ego penado.